January 2, 2017

December 30, 2016

Please reload

Posts Recentes

Filosofia do Soltar III

January 4, 2017

1/3
Please reload

Posts Em Destaque

Filosofia do Soltar II

January 2, 2017

 

Shopenhauer diz que a vontade por si mesma é inconsciente. Uma simples tendência. Mas, que com o uso da vontade, ela adquire consciência do seu querer e do objeto do querer. 

 

 

Na medida em que usamos a vontade e criamos a nossa realidade forçosamente aumentamos a complexidade da nossa consciência. Se fizemos escolhas ruins e os resultados foram ruins isso faz com que analisemos e tomemos outras decisões diferentes no futuro. Isso é o aprender pela dor. A vontade é eterna. É a própria essência do universo. A vida é vontade de viver. Portanto, a vontade nos ensinará o melhor caminho mais cedo ou mais tarde. E aqui entra o paradoxo, quanto mais vontade mais força se coloca para atingir o objetivo e menor o resultado. Essa força colocada inevitavelmente colidirá com outras forças maiores. É a lei do velho oeste: sempre haverá um pistoleiro mais rápido. Sendo assim a vontade não pode ser simplesmente cega em busca do que quer. Ela tem de raciocinar, pois a dor será inevitável se não fizer isso.

 

 

Ele diz que a vontade quer o mundo e o que o mundo é, já que o mundo é representação da própria vontade. E que a vida é a representação da manifestação da vontade. Normalmente isso faz com que caiamos num loop em que só saímos por uma tremenda expansão da consciência. Normalmente fracassos, falências, doenças, dor, etc. Raramente pela alegria. Loop em programação de computadores é uma sequência de instruções que se repetem indefinidamente até que uma condição x seja alcançada. Então o programa sai do loop. Na vida isso significa repetir os mesmos erros vezes sem conta até aprender a fazer direito. O número de vezes é praticamente infinito, porém a dor mais cedo ou mais tarde impõe uma reflexão sobre a vida. Embora existam casos em que até a dor é insuficiente para provocar uma mudança. O ego pode ficar preso num loop do sistema de crenças e não muda de atitude. Neste caso somente uma força externa é capaz de parar o loop. 

 

 

O soltar faz com saíamos do loop. Não há necessidade de uma força externa para tirar do loop. A vontade força o raciocínio quando a pessoa quer porque quer e não consegue, surge a vontade de soltar. “Largar tudo e mudar de planeta” é o que se ouve. Por instantes surgiu na consciência a verdade sobre a situação e que a melhor opção seria estar no mundo, mas não ser do mundo. O equilíbrio entre a vontade e o soltar é a sabedoria.

 

 

Hélio Couto

www.heliocouto.com

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Hélio Couto - Filosofia do Soltar - Todos os direitos reservados

Hélio Couto
  • YouTube Social  Icon
  • instagram
  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
Pat logo5.png